História
História da Grande Cecília - O começo
Bairro Cecília e a Sesmaria de Santana
• Essa sesmaria (na qual integrava também toda a região da Cecília) teria uma área aproximada de 14.000 hectares. Essa concessão foi confirmada por carta Régia de 23/01/1744 e registrada a 11 dezembro desse mesmo ano, no Livro de Ofícios e Mercês de Lisboa no Porto de Viamão, visada a 20 de julho de 1754 pelo Governador, conde de Bobadela, General Gomes Freire de Andrade.
Carta Régia - 1754
O Morro Santana
• Figura como uma referência geográfica
O Morro Santana demarcava os limites da sesmaria que pertenceu primeiramente a Jerônimo de Ornelas e, posteriormente, a Inácio Francisco. Em segundo, por ter abrigado a sede da estância de Santana, local onde residiram os dois primeiros proprietários dessa sesmaria.
O primeiro Dono das Terras
• Em 1732 Jerônimo de Ornelas Menezes e Vasconcelos estabelece -se no Porto de Viamão. O local escolhido para construir a sede de sua sesmaria foi o MORRO SANTA ANA (ou Santana). Jerônimo de Ornelas mudou-se para Guaratinguetá, São Paulo, onde contraiu núpcias em 1723, com dona Lucrécia Leme Barbosa, nascida nesta mesma cidade. O casal teve dez filhos, mas todos os descendentes legítimos são-no por linha feminina, uma vez que eram oito filhas que casaram e dois filhos que faleceram solteiros.
• Diversos pesquisadores afirmam que a sua prole daria destacada descendência no Rio Grande do Sul.
Jerônimo de Ornelas
Limites da Sesmaria de Santana
• Ao norte, com a fazenda do Ten. Francisco Pinto Bandeira, tendo como divisa o Rio Gravatai; Ao sul, com as terras de Sebastião Francisco Chaves, tendo como divisa o Rio Jacareí (mais tarde chamado Arroio Dilúvio); A Oeste, as praias do Rio Grande (conhecido na época como Igahiba ou Lagoa de Viamão, hoje Rio Guaiba) e a Leste, com as terras de Francisco Xavier da Azambuja, tendo como divisa o atual Arroio Feijó e seu afluente mais tarde conhecido por Arroio Dornelles, incluindo todo o Morro Santana.
A primeira casa dos Ornelas
Bairro Cecília e Santa Isabel - Rural e Urbana
Grande parte desta sesmaria (ou fazenda) estava assentada no local onde encontramos e envolvia toda a Grande Santa Isabel e Grande Cecília de hoje. Podemos comprovar esta informação através da investigação de SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS encontrados e pesquisados na Santa Isabel, ou seja, existem provas materiais e concretas desta ocupação humana iniciada por Jerônimo de Ornelas.

Uma organização agrária que secularmente veio se alterando nos seus limites e dimensões. A partir de uma primeira grande estância (a de Ornelas), com a desapropriação desta, vieram outros donos que a partiam, dividiam (e vendiam) em diversas fazendas menores, sem mudar a característica principal: o uso da terra para o desenvolvimento de culturas agrárias, criação de animais. O processo de fragmentação da terra continua com a transformação das fazendas em chácaras de no máximo 30 hectares a seguir em pequenos "TAMBOS" leite, em chácaras, sítios e finalmente os lotreamentos urbanos na década de 40/50. Esta fragmentação é um fenômeno que podemos contatar até os dias de hoje! (aqui cabe uma reflexão do arquiteto Escobar sobre este fenômeno urbano)!.
Mapa da Sermaria
Pesquisa: Paulo Lilja - Texto: Eduardo Escobar